Só queria compartilhar

* Olhaqui, se você é como eu, nem clique no link. Eu sou fraquinha ‘dos nervo’ que só eu mesmo, então a foto daquele toureiro com chifre entrando pela garganta e saindo pela boca me deixou coas perna doce, os joelho bambo, zumbido nuzovido e enxergando aquele tanto de bola preta na minha frente. Não era pra eu ter visto, né, que eu já sei como eu sou e nem olho pra essas coisas aflitivas, mas fui lendo a reportagem meio desavisada e aí a dona Folha vai e me coloca a fotona destamanho na página, quando eu vi já era tarde demais. Cêmipaga, dona Folha, cêmipaga.

* Eu devo ter cara de sonsa, né, pra certos ceresumanos acharem que podem abusar da minha phynesse e simpatia, jogando verde pra colher podre maduro. Meio irritante isso mas ó, tem gente que vem trazendo o milho quando eu já tou é voltando com o fubá faz tempo…

* Eu queria muito saber onde foi que o núcleo toscano dessa novela das oito aprendeu italiano. Só pra ter certeza de que nunca vou estudar lá. Tô achando que foi na mesma escola onde o Milton Nascimento aprendeu espanhol.  #mêda

* Olha, nem Chuck, Freddy Kruger e Jason juntos me dariam tanto pavor: um caminhão tomba nos Estados Unidos e 17  milhões de abelhas saem voando pela estrada afora. 17 milhões!!! E eu já fico cismada com só uma daquelas abelhinhas idiotas rondando meu copo de Coca Cola…

* Acho que eu dava na cara do Ozzy Osbourne se ele me pregasse o susto que pregou no pessoal no museu Madame Tussaud’s, tudo pra divulgar seu album ‘Scream’. Trem mais besta, chamar de sanavabitch seria pouco. Pelo menos ele pegou leve com a menininha.

* – E vocês podem mandar alguém pra fazer a manutenção entre meio dia e quatro da tarde? É quando eu tenho certeza de que vai ter alguém aqui.
– Claro, senhora (sempre sempre esse ‘senhora’, céus!), está anotado, não se preocupe.
Apareceu alguém aí? Aqui não. Claro, eu é que devo ter entendido errado. Ela disse que era entre meio dia e quatro da tarde, mas não disse de qual dia…

* Quem correu ontem que nem uma louca pra chegar a tempo de dar a aula das cinco horas e aluno deu o bolo e não avisou, depois ficou esperando a próxima aula mas a aluna ligou desmarcando porque estava presa num engarrafamento monstro no Anel Rodoviário por causa de mais um acidente horroroso põe o dedo aqui!

* Só mais uma: eu ouvi na TV o moço dizendo que a grife tal tinha pensado em ‘bookar’ um espaço de não-sei-das-quantas. Bookar, gente, bookar!!! Eu sou professora de inglês e entendo perfeitamente que existam interferências de um idioma no outro, mas pelamor!!! Onde é que foi parar o verbo ‘reservar’? Tou arrepiada até agora.

Anúncios

17 respostas em “Só queria compartilhar

  1. Mônica, já que você quer compartilhar, a respeito do segundo tópico, o que foi que aprontaram com você pra que ficasse nessa pilha toda? Posso saber?

    Bjos e saudade de montão.

    • Hahaha, o segundo tópico é só mesmo pra constar, daquelas chateaçõezinhas inevitáveis da vida, mas olha que foi super terapêutico, foi só eu postar e passou!!! 🙂

      Que eu não sou doida de ficar remoendo os mimimis e chatices alheias, né, Deusmelivreeguarde. Ainda mais quando é trabalho e a gente não tem muito como escapar pela tangente!

      Coisa de leonina, é que eu fico aqui quietinha e boazinha embaixo da árvore fazendo a minha siesta e olhando a savana, até pisarem na minha cauda ou puxarem a minha juba! 😀

      bjk, tá sumido mesmo!

      • Também sou leonino. Pode ficar tranquila que eu compreendo.

        Bjos de montão.

    • Cê viu só, minino?
      Ataquei hoje…
      Mas olha que foi bem terapêutico!!!
      É assim que a gente evita úlcera, pressão alta, crise nervosa, essas coisas… 😀

  2. É isso aí menina, tem dia que a gente precisa mesmo destilar tudo pra fora, deixar o veneno sair, senão a gente morre de mansinho… é bom compartilhar estes pequenos momentos. E depois que a gente ‘fala’ fica tudo parecendo tão pequenino, né?
    Bjs,
    Ana

    • Minina, e não é que é mêêêsss???
      Eu não sou de ficar guardando as coisas não, sabe, tem gente que sofre tanto com isso… Ou eu chuto pra escanteio, porque não me diz respeito e a chatice alheia não me pega, ou então tento lidar com o problema o mais rápido possível, pra não acumular energia. As coisas geralmente são bem menores do que parecem, o que aumenta tudo costuma ser o tanto de tempo e gás que a gente gasta sofrendo com as coisas. Eu corro disso! 🙂
      bjk

  3. Nusga, que mêda! Esse post tá mais pra segunda-feira que pra sexta, que é o dia internacional da alegria…
    Mas ó, concordo com todos os “pet peeves” listados, com exceção da super original campanha de marketing do disco do Ozzy, achei divertidíssima! Sou fã de Ozzy, devo admitir. Não como músico, mas como personalidade, adoro o jeitão dele. Bom fim de semana!!!

    • Ah, eu também achei divertida e muito bem bolada a ideia do Ozzy! Mas que eu dava na cara dele, isso dava! Onde já se viu assustar as pessoas assim dessa maneira? 🙂

      Gente, mas o post ficou assim tão de dar medo? Tirando o número dois, o resto me pareceu tão levinho… Acho então que eu não posso nem pensar em mostrar por aqui o meu Lado Negro da Força, senão vocês vão correr de mim e do meu blog!!! 😀

      bom findi pra ti também!
      bjk

  4. Mônica,
    há uns anos eu estava no prédio da Escola de Engenharia da UFMG onde funciona a Metalurgia (o Juarez trabalhava lá).
    Resolvi ler um aviso, naqueles murais dos corredores e o “professor”, com um portuguezinho muito do chulé, dizia que não sei que assunto estava “atachado” em determinado e-mail que enviara aos coitados dos alunos dele.

    Não resisti: olhei prum lado, olhei pro outro, vi ninguém…

    Levantei a aba do chapéu que me cobria os olhos, movimentei os dedos das duas mãos, saquei minha lapiseira (dá-lhe Ringo, meu ódio será tua herança!) e, com a delicadeza que me é característica escrevi o mais terno bilhetinho que me lembro de haver dedicado a um lente em toda minha vida:

    “Ô animal. Você foi criado e dá aulas num país cuja língua oficial, salvo engano, ainda é o Português. Vê se vai “atachar” a PQP”!

    Confesso que poucas vezes eu, paladino do oeste da ABL e adjacências, abri aquelas metafóricas portinhas de vai-vem de faroeste com a alma tão lavada…

    Beijim,

    Stélio

  5. Pois é, e ‘anexar’ é tão bonitinho, né…
    Não sou xiita com essas invasões linguísticas, elas acontecem em qualquer idioma, e o inglês mesmo deve ser campeão nessa área. O que tem de palavra emprestada ali não é mole. Mas me irrita um pouco a simples preguiça mental de buscar a palavra certa, quando ela existe e é corrente…
    bjk

    • Mônica,
      também não sou xiita. O que torra a paciência é uma certa forma de se querer utilizar outras línguas como forma de uma erudição quando não se tem a dita cuja.

      Aliás, o Inglês é cheio de expressões latinas, que muitos julgam não serem. Exemplo? A tal de mídia, que, sem tirar nem por, é media, palavra latina. Aí os anglo saxões pronunciam mídia e a galera brasilis embarca e acha lindo.

      Ponto. Final.

      Beijoca,

      Stélio

  6. Se o Ozzy me desse esse susto, o susto que a produção dele levaria seria ainda pior. Ele mesmo talvez não percebesse nada, pois provavelmente estaria nocauteado… 🙂

    É, eu sou dessas pessoas que reage rápido quando se sentem ameaçadas. Se ele apenas se movesse, eu poderia dar um pulo e me afastar, mas se ele virasse pra mim gritando e esticando os braços em minha direção, o estrago estaria feito.

    Fico imaginando as manchetes: “brasileiro cala ‘grito’ de Ozzy com nocaute” ou algo assim. Em inglês fica melhor. 🙂 Mônica, traduz aí, que eu não arrisco…

    • Pois é, Arthur, esse é um risco. Ou, sabe-se lá, vai que alguém tem um piripaque e cai duro e seco na frente dele? Sei lá, pode até ser divertida a ideia, mas os efeitos colaterais podem ser bem complicados… E aquele ali é tão lerdo que eu acho que qualquer bifa na orêia já vai fazer efeito! 😀

  7. Stélio,

    vou comentar aqui embaixo, que acabou o espaço pra comentário no lugar lá em cima. Menino, o inglês hoje em dia já perdeu seu status de língua germânica. A estimativa é de que quase 80% do vocabulário atual seja herdado diretamente das línguas ‘romanas’… Em tempos de globalização, o ping-pong é mesmo inevitável.

    Concordo com você, o abuso na utilização de expressões, quando a gente tem a palavra bonitinha pra usar, tem hora que enche a paciência. Por enquanto, imagino que ‘bookar’ esteja restrita ao mundinho fashion. Pelo menos, espero. O medo é daqui a pouco isso ganhar mundo!!! 🙂

  8. stélio
    que bom seu esclarecimento! mídia-media…
    a gente brincar com palavras, para descontrair é uma coisa, mas infelizmente nosso idioma está agonizando!

    O que é certo se tornou errado, e o errado está indo para os dicionários (gramáticos! onde estão?).
    A tendência… regulamentando o coloquial, sem nenhuma justificativa etimológica é lamentar…
    o futuro???

  9. Acho que língua é meio assim mesmo, Vanilda, e até que o português é resistente a essas mudanças – o inglês tende a ser bem mais tranquilo com relação a mudanças. Eu só acho chato é quando a mudança é só por modismo, pra mostrar que é figurinha descolada. Aí é o fim da dinastia!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s