A vida em um dia

Câmeras digitais com precinhos acessíveis + internet banda larga + um monte de gente à toa nesse mundão de modêus + dois diretores preguiçosos = Life In A Day. Ridley Scott e Kevin Macdonald agora resolveram pagar promessa com o joelho dos outros e aí tiveram a ideia de montar um documentário usando imagens do cotidiano enviadas pelos internautas. Nada daquela trabalheira de contratar atores, escolher locações, escrever um roteiro; tá ‘assim’ de gente por aí doidinha pra fazer o serviço de graça, em troca do nominho nos créditos. Depois que expressões como interatividade, colaboração e web 2.0 entraram na ordem do dia, parece que esse pessoal já não sabe mais o que inventar.

A ideia é interessante, claro. Quando nada, pode manter um bocadinho de gente ocupada no próximo sábado, dia de sair por aí registrando o caminhão de lixo, a faxina no banheiro, o passeio com o cachorro ou os preparativos pra festinha de aniversário do junior, como se tudo isso fosse verdadeiramente importante. Meu receio é só dar de cara numa esquina com um aspirante a Goddard ou um Fellini genérico crente que está criando uma nova estética cinematográfica só porque colocou a câmera de cabeça pra baixo contra a luz pra filmar o menino descascando uma mexerica enquanto declama uma letra de música do Djavan. Mas o projeto todo é só isso mesmo, um experimento bacaninha, tipo um Koyaanisqatsi a muitas mãos. A cara de sério do Ridley Scott dizendo ‘Just do it’, como se fosse garoto-propaganda da Nike. e a pretensão do Kevin Macdonald, achando que o filme será mais ou menos como uma cápsula do tempo para que as gerações futuras vejam como era a vida no dia 24 de julho de 2010, me pareceram assim, um pouquinho demais. Periga ser um belo samba do crioulo doido, isso sim, o que logicamente não significa que o resultado vai ser ruim. É mais ou menos como aquelas campanhas pra gente apagar a luz de casa durante uma hora pra salvar o planeta: todo mundo sabe que não faz a menor diferença, mas é legal participar. Mas, se é pra mostrar um dia comum na vida, acho que ainda prefiro muito mais o John Hughes.
***

4 respostas em “A vida em um dia

  1. Mônica,

    Isso me fez lembrar de uma das frases do Woody Allen que o Stélio me mandou outro dia:
    “Fiz um curso de leitura dinâmica e li Guerra e Paz em vinte minutos. Tem a ver com a Rússia.”

    Grande abraço,
    Paulo

    • hahaha
      É como a cena em que contam pro Woody Allen que a vida da gente é uma sucessão de reencarnações, e ele fala desanimado: ‘ah nããão, vou ter que assistir Holiday On Ice de novo???’ 🙂
      abração

  2. Crianças,
    tem também três boas e premonitórias frases do Nelson Rodrigues sobre cinema:

    “O cinema não chega a ser uma arte. Daqui a seis mil anos talvez o seja”.

    “O cinema francês é como o italiano: um conto do vigário”.

    “O cinema brasileiro só dará pé quando desaparecer o Cinema Novo até o último vestígio”.

    O mundo do cinema é cheio de contradições, estrelismos, egos exacerbados e outros qualificativos não muito edificantes. Vejam algumas frasezinhas sobre cinema, ditas por alguns integrantes desta fauna:

    Tallulah Bankhead, sobre Bete Davis:
    “Odeio esta mulher. Se pudesse arrancava cada fio de seu bigode”.

    Groucho Marx, sobre Doris Day:
    “Estou em Hollywood há tanto tempo que conheci Doris Day antes que ela se tornasse virgem”.

    Adolph Zukor (chefão da Paramount)
    “O cinema falado nunca dará certo. É barulhento demais e impede que as pessoas durmam durante o filme”.

    Jean-luc Godard
    “Estou aguardando o fim do cinema com otimismo”.

    Paulo Francis, sobre qualquer filme do antigo cinema novo:
    “O filme é uma merda, mas o diretor é genial”.

    Federico Fellini
    “Cinema-verdade? Prefiro o cinema-mentira. A mentira é sempre mais interessante que a verdade”.

    Fellini, de novo:
    “Sempre faço o mesmo filme. Não consigo distinguir um dos outros”.

    Louis Limière, inventor do cinematógrafo
    “Esta invenção não tem o menor futuro”.

    Wilson Mizner
    “Depois de passar anos em Hollywood, convenci-me de que os verdadeiros heróis do cinema estão na plateia”.

    Encerro com esta pérola:
    “Há vinte ou trinta anos não entro numa sala de exibição de cinema. As frases sobre ele são muito mais divertidas”.
    (Stélio, o locutor que vos fala)

    Abraços,

    Stélio

    • hahaha,
      as frases são ótimas mesmo. Eu não vou ao cinema desde… desde… quarta-feira, quando fui conferir Toy Story 3 (e adorei!).
      E tem também aquela frase do (?) Stanislaw Ponte Preta: Cinema Novo: uma ideia na cabeça, uma câmera na mão e uma merda na tela!
      BJK

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s