Tudo está como sempre foi

A ideia de ano novo, recomeço, novidade e tudo o mais é sempre divertida e tentadora mas, vamos ser francos, tá mais fácil aderir à lista de não-promessas que a Fal sugeriu no blog dela. Lá no fundão a gente tá cansada de saber que um primeiro de janeiro não muda nossa vida em absolutamente nada, pelo menos nada que não pudesse mudar com a mesma eficácia num 25 de junho, numa quarta-feira depois do almoço ou assim que eu terminar de lavar a louça do jantar. É bacana fazer as retrospectivas de praxe, brincar de estabelecer metas para a semana, o mês, o ano, mas no fim das contas as coisas, em geral, mudam milimetricamente, um pouquinho de cada vez. E a maioria delas, muito mais teimosa, não vai mudar de jeito nenhum, e assim continuam entrando na nossa listinha entra ano, sai ano.

Passei essa virada do ano bem longe de internet, celular, televisão e toda essa parafernália que nos mantém conectados freneticamente com tudo e todos ao mesmo tempo, o tempo todo. Ao voltar para casa, eu e tudo ao meu redor ainda estávamos do mesmo jeitinho que deixamos 2010: a estrada continuava uma porcaria, lotada e perigosa (acho que vai ter que morrer alguém muito importante nesse trecho da BR381 para que o poder público resolva tomar providências, porque morte de pé-rapado não dá ibope); eu ainda não estava trilhardária (infelizmente não fui a feliz possuidora do bilhete ganhador da Mega Sena que saiu para Belo Horizonte), o que significa que vou ter que rebolar pra dar conta de pagar o IPVA, IPVE, IPVI, IPVO, IPVU, IPTA, IPTE, IPTI, IPTO, IPTU e todos os outros impostos que se multiplicam que nem gremlins e roubam os meus tostões (indo parar a gente sabe onde…); a imprensa continuava sem-noção, dando mais destaque à belezura da miss-vice-primeira-dama do que à posse da presidente (e muita gente achando isso super legal); aquele senhor que pagou a conta da orgia no motel com dinheiro público tomou posse como ministro do Turismo, mostrando que não há roubo quando se diz “ooops, foi mal aê, toma aqui o dinheiro de volta”, e isso é, na minha modestíssima opinião, um péssimo exemplo de início de governo; os tarólogos, numerólogos, astrólogos e futurólogos de plantão tinham feito suas previsões absolutamente previsíveis; e os primeiros sinais do próximo BBB já eram visíveis no horizonte.

Ou seja, nada muda realmente. Nem mesmo a nossa vontade de fazer do novo ano ‘o nosso ano’, aquele em que a gente vai arrebentar, finalmente vai caber naquela calça jeans justa, ganhar muito dinheiro, viajar mais, parar de fumar, ter mais paciência, guardar mais dinheiro, manter uma rotina sensacional de exercícios e dieta balanceada e tudo o mais. Nada (ou muito pouco) muda, mas a gente continua firme nos bons propósitos. Quer saber? Ainda bem!

15 respostas em “Tudo está como sempre foi

  1. Oi Mônica, acho que essa reação também faz parte da ressaca de ano novo kkkkkk ou da do Natal. Tá meio capenga o ritual de passagem…
    Bem, pra mim esse ano é histórico. Primeira presidenta, como todo mundo tá falando, de esquerda e que vai continuar o trabalho de Lula.
    Tô me achando a própria, imagine tudo isso na minha geração, ual.
    Bj

    • kkk, é verdade! A gente custa a engrenar depois da ressaca da semana entre Natal e Ano Novo, né? É como a lei de Murphy para ciclistas: não importa aonde você vai, é sempre morro acima e contra o vento! 😀
      Eu não me entusiasmo muito com isso de primeira mulher presidente não, sabe? Também foi o mesmo quando o Obama entrou como o primeiro presidente negro. Claro que eu acho isso muito bacana e tudo, torço pra que tudo dê certo (aí nos Istêitis eu sei que tem muita gente chiando, mas é que o estrago era bem maior do que eles estavam imaginando…), mas fico sempre com um pé atrás. Espero que as mudanças sociais continuem a acontecer, que as econômicas não tropecem, mas francamente não espero nada de bom na esfera política – acho tudo ‘farinha do mesmo saco’…
      Mas é aquela história, né, a esperança é a última que morre (mas também morre, ela só é a última… :-P)
      bjk!

      • vixi !nem compare! O Obama é carismático demais menina, não acertou um, olha chegaria a ser cômigo se o meu recibo do mercado não fosse trágico, uma pra remédio ele não acertou, mas que é o político perfeito, nem duvide!

        Já Lula, quem botava fé no iletrado na 1o vez, aquela lá atrás com Collor? um punhado chamado de loucos, utópicos e lá vai.
        Depois plano Cruzado, “esqueçam tudo que escrevi”, tudo privatizado, quase que perdemos todas as reservas minerais do país… farinha pode ser, mas a qualidade tá variando, se continua assim, já já até visto vão deixar de nos pedir. Ok, flanei…
        Mas o caso é que eu apoio sem pé atrás, pq quando o caldo entornava, e minha geração viveu no entornado a maior parte do tempo, o jeito era levar a bola pra frente.
        Como agora temos a oportunidade de apostar na grande eu tô fazendo também só tenho a ganhar.
        Grande beijo querida

  2. É bem verdade, Monica, nada muda. Mas não é que na noite de 31 eu fico sempre à espera de sentir aquele ‘click’, aquela coisa assim tipo ‘agora tudo mudou’ e não é que acordo no dia seguinte e tá tudo igual? E já lá vão mais de 40 anos nesse mesmo ritual! Nem as coisas mudam, nem eu…
    Bjs,
    Ana

    • Pois eu sou igualzinha a você, Ana! Mesmo sabendo que muito pouco vai mudar, e provavelmente nada vai acontecer do 31 pro primeiro de janeiro, eu sempre tenho aquela expectativa boa. Tem jeito não… 🙂
      bjk

  3. Mônica,

    Já disse no dia primeiro e repito agora:

    hoje recomeça tudo –
    diferente mas bem igual,
    não me iludo!…

    2011 dez pra você!

    Paulo

  4. Pois eu fui olhar os “drops da Fal”. Como eu achei estranho o formulário de comentários dela e como ela não me conhece mesmo, vou puxar o comentário pra cá. 🙂

    1 – É, não vou parar de comprar sapatos. Afinal, não dá pra andar descalço por aí, no ambiente rural é perigoso e no ambiente urbano é anti-higiênico. Devo comprar uns incríveis dois ou três pares este ano.

    2, 3, 4, 6 – Arrãm.

    7, 9 – Já não faço nenhum dos dois, mesmo.

    5, 8, 10 – Aí a porca torce o rabo. Ou eu faço essas três coisas, ou a vaca vai pro brejo, a porca torce o rabo, a onça bebe água, a cobra fuma e o zoológico inteiro dança a macarena. Complicado, mas não impossível. (Eu fazer essas coisas, não o zoológico inteiro dançar a macarena…)

    Este ano será diferente.

    Este ano será o ano da mudança.

    Lógico, eu vendi a casa e vou mudar de cidade… 😛

    • Bom, diferente sempre é, né? Quando eu faço a retrospectiva, tem sempre alguma coisa que eu acabei conseguindo fazer, às vezes até sem me dar conta! 🙂
      Bom, no final do ano me conta se o 5,8 e 10 deram certo! Ou se, pelo menos, o zoológico dançou mesmo a macarena…

  5. Muito interessante o post.
    Essa vontade que você diz para fazer desse ano O ano realmente é muito dificil das pessoas em geral conseguirem de fato colocá-lo em prática, até pq na maioria das vezes depende muito mais de simplesmente o fato de falar da boca pra fora, é preciso muita força de vontade e não sei se você vai concordar comigo, mais a grande maioria dos brasileiros é extremamente acomodada…

    Eu esse ano não quiz fazer promessas, até pq sei que a maioria não iria cumprir mesmo rs, preferi escolher ir vivendo os dias e dessas experiências tirar o que eu vou ou não focar nesse novo ano.

    Cabe tb comentar que talvez por ser o fim de uma década as pessoas tenham se empolgado mais nas promessas, oferendas e etc… rs

    • Ah é, Bruno, essa história de ser 2010 com certeza fez o pessoal caprichar nas promessas, olhar pra trás dez anos costuma dar um efeito e tanto!
      Acho que não é só brasileiro que é acomodado não, vejo pelos meus amigos em outros países que as coisas não são muito diferentes por lá não! Deve ser coisa de gente mesmo! 🙂
      Eu faço planos sim, nada muito megalomaníaco, mas ter um leme pra dar uma direcionada eu acho legal. A gente só não pode é levar tudo a ferro e fogo, porque lá pelo meio do ano as coisas mudam (ou não) e aí…
      Um ótimo 2011 pra você!

  6. Rosa,
    respondendo cá embaixo o seu comentário lá de cima! 🙂
    É, eu sei que o Obama tá passando aperto por aí, mas eu citei ele foi pra dar outro exemplo de entusiasmo do pessoal por ser ‘o primeiro presidente negro’. É meio o que eu sinto por ter ‘a primeira presidente’: não me diz muito, eu quero ver é o que ela vai fazer. Acho legal ser ‘o primeiro isso’, ‘o primeiro aquilo’, acho importantíssimo outras pessoas estarem chegando ao poder, mas nesse ponto eu acho que sou mineira demais: mostre serviço primeiro, depois eu aplaudo. Foi assim com o Lula: achei legal a vitória dele, não esperava muito, aplaudo e apóio várias medidas tomadas (sobretudo na área social), na esfera política (diga-me com quem andas…) eu não vejo muita diferença, sobretudo porque por estas bandas o pessoal troca de partido e de ideologia (se é que isso ainda existe na Corte) como troca de gravata. Pois Sarney e Collor não viraram cidadãos de bem? 🙂 Já não me empolgo não. Como você, cresci nos anos da ditadura e não teve a menor graça. Claro que o que temos hoje é um trilhão de vezes melhor. Mas é desanimador ver um Congresso se renovar de 4 em 4 anos só da boca pra fora; no fundo, parece que tá todo mundo lá só mesmo pra salvar o seu…
    beijo!

  7. Cariño, eu ia fazer um comentário absurdamente preconceituoso e sei que seria xingada, então, vou ficar bem quietinha e, mesmo que você não acredite que o ano novo é propício para que ressuscitemos velhas promessas, te desejo 362 dias de muitas alegrias, poucas preocupações e risos e mais risos de pura alegria…

    =)

    Besotes, guapa…

    • hahaha, agora tou aqui tentando imaginar que comentário seria esse… 🙂
      Mas pelo contrário, o ano novo é uma ótima oportunidade pra gente ressucitar as promessas e renovar o velho, mesmo que lá pela metade do caminho a gente jogue as coisas pra escanteio! Eu vivo fazendo isso… e acho o maior barato me pegar toda virada de ano na mesma armadilha! E se não der certo no primeiro de janeiro, que a gente encontre outros ‘primeiros de janeiro’ pra renovar as promessas!
      Te desejo o mesmo, guapa, muita alegria, paz, saúde e paciência quando o bicho pegar. E muitos risos também, que bom humor a gente não pode dispensar nunca!
      besos!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s