Arrasta-pé


***

Louis Armstrong (e, vamos combinar, esse senhor sabia uma coisinha ou duas sobre o assunto) dizia que só existem dois tipos de música: a boa e a ruim. De resto, essa história de erudito, popular, música de branco, de preto, de rua, de salão, é conversa pra quem gosta mais de ficar colocando tudo em caixinhas rotuladas do que de apreciar o que vale a pena. Esse arranjo para Feira de Mangaio, do genial Sivuca, com o próprio na sanfona e a Orquestra Sinfônica da Paraíba, certamente faria o grande Satchmo dar uma daquelas suas famosas gargalhadas e dizer “tá vendo, num tou falando?”. A versão poderia -e deveria- fazer parte do repertório de qualquer orquestra do planeta. Quer dizer, pelo menos até os 2’30” . Depois disso, vai depender do maestro conseguir bater as precata no tablado e puxar o forrozão com categoria.

Anúncios

12 respostas em “Arrasta-pé

  1. Monica
    Bom estar aqui com vc, em primeiro lugar:
    -agradeço pela crônica, captou o essencial e com isto disse tudo!
    em segundo lugar:
    -sem que soubesse, prestou uma linda homenagem a um grande músico, que por sua vez tinha como companheira Glorinha Gadelha (prima legítima de meu pai), autora da ‘letra’ Feira de Mangaio.
    Uma curiosidade que me impeliu dividir com vcs:
    Sivuca (ainda moço) em uma de suas apresentações pelo interior paraibano foi até Sousa, láaaa no finzinho do estado. Resultado, Glorinha, médica, musicista: piano, violão, acordeon, ai de quem àquela época na família não tocasse um instrumento! Deus do Céu! Cidade pequena quando eles se encontraram – não sei o ano – não gravo muito alguns detalhes. Fato é que esta moça, deixou diploma com profissão e família para trás; se encantou do ‘tocador’ e correu o mundo com ele até que a ‘mardita ceifadora’ separou a comunhão de amor e música!
    Fiquei muito feliz pelo reconhecimento, no que me toca, pois sou de outra geração e nasci em outro estado.
    Grande abraço!!!

    • Ah, que legal ouvir essa história, Vanilda! O Sivuca fez alguns dos shows mais bacanas que eu já vi aqui em BH, era impossível ficar parada quando ele puxava a sanfona.
      Obrigada por compartilhar conosco!
      bjk

  2. É Ana
    às vezes um detalhe! não quis omitir porque dá um encantamento, encantamento este, que é real. Por isto é bom compartilhar! E a vida vai somando…
    Grande abraço para vc e Monica!

  3. Monica
    De fato, o Sivuca é daqueles que fazem parte da História da Música Nacional. Eu desconhecia esta primorosa apresentação com a Orquestra Sinfônica da Paraíba.
    Como na sua referência, não deixa dever a ninguém!
    Menina! cada coisa linda que vc escreve e coloca aqui, será que é lá de onde nasce o arco-íris?
    Tudo por lá, deve ser lindo demais da conta!…
    Êta Brasilsão maravilhoso! (olhando deste lado…). Que bom, gente, vamos dividir estas jóias uns com os outros em todas as regiões: notas, cores, criatividade, alegria.
    Diz Leila Pinheiro:
    … a gente leva da vida, amooor, a vida que a gente leva!
    Já ouviram esta música?: “a vida que a gente leva”, confiram!
    Começamos com uma e terminei com outra. Entrou pela perna do pinto e saiu pela perna do pato…
    Bjs para vc também.

  4. Monica
    Aqui mais um comentário (de meu irmão), quando enviei para ele o seu post: “Sivuca era tio de um amigo meu, ex reitor da Rural (UFRPE) – Emídio Cantídio de Oliveira Filho – se vc procurar fotos dele no google vai ver a semelhança. Tive o prazer de ouvi-lo tocando num jantar pela ocasião da reeleição de Emídio, foi muito bacana. (Roberto). Já tem este endereço também.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s