Quase muda

Como bem disse a tia da minha madrinha, não há nada pior pra saúde do que doença. Quando a gente é criança e fica dodói até que tem lá suas vantagens – dá pra matar aula e ficar na frente da TV ou jogando videogame o dia inteiro, a mãe vem perguntar se você melhorou, se quer um chazinho, uma sopinha – mas depois de marmanjo a coisa não tem a menor graça. Pior, você continua tendo que aguentar o chefe, pagar as contas e botar a roupa na máquina pra lavar. Se der sorte, você é homem e homem costuma ser aquela moleza, né, dor de cabeça é enxaqueca e 37 graus é febre, com direito a prostração e tremores. Sei. Estou pra ver uma mulher que faça o mesmo dramalhào por conta de nada.

A entrada do inverno sempre me dá um revertério. Quando eu era pequena eram infecções de garganta monumentais, com febre de 40 graus – era só eu ameaçar um ‘mãe, acho que estou com febre’ pra ela sair correndo pra buscar o remédio e o termômetro e me colocar debaixo do chuveiro pra ajudar a febre a baixar. Cresci e a situação foi ficando bem menos dramática pro meu lado, mas até hoje meu organismo cultiva esse irritante hábito de brindar a mudança de temperatura com uma crise de sinusite seguida de uma inflamaçãozinha de garganta, em nome dos velhos tempos. Mas até hoje eu nunca tinha ficado doente com hora marcada. Entrei no teatro às oito da noite falante e feliz e saí de lá às onze e meia completamente muda. Já tinha visto gente perder a voz cantando, mas foi a primeira vez que soube de alguém que perdeu a voz ouvindo alguém cantar.

Agora imagina uma professora sem voz. Essa era eu na terça-feira de manhã. Como nem eu nem meus alunos somos fluentes em Ameslan – a linguagem americana de sinais – e, além disso, eu ainda conservo uma nesguinha de bom senso nessas horas de aflição, acabei fazendo uma confusão danada nos meus horários, cancelando algumas aulas, trocando outras e improvisando com doses maciças de vídeos e jogos que, pelo menos em tese, deveriam ajudar a manter um certo repouso vocal. Amigos super prestativos vieram em meu socorro com receitas caseiras e muitas recomendações do que fazer e não fazer nesses casos e eu lá, experimentando. Deu certo. Ou quase. Na quinta à noite começou a fase final: a tosse. Compulsiva, irritante, radical, dessas tosses secas que você vai tossindo, tossindo até perceber que seus pulmões acabaram de sair pelas costas e sua cabeça explodiu que nem os bueiros da Light. Pastilhas para acalmar os surtos (obrigada, Janssen-Cilag, por fabricar um produto terapeuticamente eficaz mas com o pior gosto que já vi na minha vida!), muita, mas muita água o dia inteiro (que, eu espero, vai fazer maravilhas pela hidratação da minha pele e, quem sabe, até pode me ajudar a perder um quilinho aqui e ali), chá de romã, gengibre em tirinhas, o que você imaginar, rolou. Aliás, tá rolando, porque a situaçãoo ainda não está totalmente sob controle. À noite, então, é uma maravilha. Ou eu acordo tossindo, ou pra beber água pra ver se paro de tossir, ou pra ir ao banheiro, porque tossi demais e bebi água demais e a autonomia de voo ficou seriamente comprometida.

Isso tudo, claro, sem direito a matar aula, ficar na televisão ou aproveitar pra fazer corpo mole, mesmo com o PCA (Puta Carência Afetiva) atingindo níveis perigosamente altos. Uma semana mais tarde e a situação começa a se normalizar aos poucos, mas ainda estou sonhando com uma noite bem dormida, que não me deixe ficar como um zumbi durante o dia. A voz voltou aos poucos, pulmões e cabeça já não sofrem tanto e já consigo falar uma frase inteirinha sem inserir cof cofs no início e no fim. Vamos ver até onde vai essa brincadeira que, pelo pro meu gosto, já deu o que tinha que dar.

Anúncios

12 respostas em “Quase muda

  1. Pôxa, Monica!
    Pensei que tinha passado. Nem chás, romãs, gengibre, mantras, o gatinho e o gatão!
    nada, nem ninguém?! Deve ser o clima, sabe-se, el Niño e la Niña juntos, muita traquinagem deles, já deviam ter dado folga pra vc. Deus nos livre!!!
    Melhoras para tá? que precisa de sua garganta perfeita.

    • Acho que esse tempo seco realmente tem tudo a ver com a história, Vanilda. Além disso, esta semana está estranhamente quente pros padrões (27 graus agora, 3 da tarde, enquanto de São Paulo pra baixo tá todo mundo congelando…), embora há pouco tempo os dias estivessem bem frios por aqui. Ajudaria bem se eu estivesse de férias, mas nesta época eu não paro, a não ser quando algo me pára… 🙂
      Mas tá ruim não, aos pouquinhos eu chego lá. E tou pondo a maior fé nesses litros de água que estou bebendo pra voltar a ter aquela silhueta de bailarina espanhola! 😉
      Bjk e obrigada!

  2. Sendo bem egoísta, ficar sem falar não é nada, pior seria se você não pudesse escrever e fosse nos privar das suas crônicas inteligentes e bem-humoradas.
    Brincadeirinha, fique boa logo,se precisar te mando um punhado de erva cidreira do meu sítio pra um chazinho.

    • Nooooosssa, ganhei meu dia, Wagner, obrigada!
      Já tou bem melhorzinha, mas pode deixar que se a coisa complicar eu não dispenso uma erva cidreira de sítio não! 🙂

  3. Mônica, minha flor. Compare-se ao Jô Soares. Toda mudança de clima ele também fica doente. Eu era assim: gripe de dois em dois meses. Aí passei a tomar um comprimido de vitamina C todo santo dia, a vida toda. Nunca mais. Quando gripava, tirava de letra. Mas acho que isso não se aplica ao seu caso que, parece, é alérgico, né? Tem jeito não. Eu ainda que me dou por feliz porque meu marido, que Deus o tenha, sempre me dava colinho (e chazinho e sopinha) quando eu adoecia… Bons tempos…

    • É, Mercedes, acho que meu caso é alérgico mesmo, não apareceu nenhum outro sintoma. Aliás, nem sei qual foi a última vez que realmente gripei, isso é algo bem raro comigo. E colinho é um santo remédio… 🙂

  4. Mônica,
    eu já tive muito isso tb, o que funciona pra tosse comigo é uma pastilha chamada Notuss. Consigo ficar umas 4 horas sem tossir.
    Melhoras.
    Beijo,
    Cléo

    • Adorei o nome, Cléo, anotei aqui na agendinha, porque essa que me recomendaram é bem eficaz, mas ô trem ruim, menina! A noite passada já foi beeem mais tranquila, acho que estou chegando nos finalmentes. Finalmente! 🙂
      bjk e obrigada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s