Rebobinando 2013

Foram tantas as reclamações, tão enfáticos os clamores, tão veementes os lamentos, que no fim eu me vi obrigada a parar e me perguntar “Êpa, mas 2013 foi assim esse horror todomussum - fim do ano que as pessoas estão dizendo?” Procurei por sinais inequívocos de encrenca, tentei listar os maiores problemas, recapitulei meus passos pra detectar onde foi que pode ter dado merda e olha, folgo em afirmar que não, este ano que ora está por um beiço de pulga não foi (pelo menos pra mim) esse pandemônio todo e, pra falar a verdade, passou léguas distante de outros anos em outras épocas que, citando Sua Majestade, eu tranquilamente arriscaria chamar de ‘annus horribilis’.

Tudo bem, ainda não foi desta vez que acrescentei muitos zeros à direita na minha conta bancária (não acertei uma mísera quadrinha na MegaSena, não ganhei nem mesmo um brinde de plástico na pescaria da festa junina da escola da pequena), George Clooney continuou ignorando minha existência, não enviei postais de Bora Bora ou qualquer outro lugar exótico e paradisíaco para os meus amigos, não falei nem dez por cento dos f***-se que eu deveria e gostaria de ter dito, e ainda fiquei devendo ver este patropi abençoado por Deus e bonito por natureza (mas que beleza!) dar passos firmes e resolvidos na direção de se tornar um lugar realmente civilizado pra se viver (ensaiamos uns passinhos aqui e ali, mas não fomos assim muito longe não, pensando bem).

Em compensação, trabalhei muito e bem, e continuo apaixonada pelo que faço, ‘ganhei’ alunos que, mais que aprendizes, me ensinaram montes de coisas bacanas (uma troca que sempre me encanta e me renova, eu lá com o present perfect e os pronomes relativos, aí eles vêm com receitas de suflê que só a avó tinha, técnicas para fazer uma sutura perfeita que não deixará cicatrizes, explicações sobre a diferença entre calúnia, injúria e difamação, dicas maravilhosas de livros e filmes que eu nem sonhava que existiam…), encontrei profissionais online e off que generosamente compartilharam comigo suas descobertas, suas dúvidas, suas vivências.

Reencontrei amigos, renovei e fiz novas e muito queridas amizades – e quem desdenha as redes sociais não faz ideia de quanta gente bacana, linda e interessante está espalhada aí por esse mundo de modêus, só esperando uma chancezinha de nada pra virar seu amigo de infância – tive família, amores e amigos ao meu lado, recarregando minhas energias tanto ao vivo e a cores como pela virtualidade, fui a festas, batizados, aniversários, casamentos e tantas outras celebrações onde pessoas queridas estavam lindas e felizes e me fizeram linda e feliz junto com elas, fiz muitos brindes, vi ótimos filmes, li muito (como há muito tempo não lia), fui a concertos, exposições, vi Elton, vi Paul e faltou um cadinho só pra ver também Bruce e Eddie, fiz pequenos passeios deliciosos, caminhadas nas montanhas, fiz muitas fotos, ouvi muita música boa (porque eu não ouço música ruim, hoho). Me mantive saudável e até a onda de perdas que andava rondando os meus nos últimos anos fez a delicadeza de dar um tempinho.

Então acho que eu tenho mesmo muito mais a agradecer do que reclamar. 2013 não vai chegar a receber um Oscar por seu desempenho, mas aparentemente me foi mais suave do que pra muita gente. 2014 taí nas portas, com muitos (e alguns complicados) desafios, com problemões com os quais eventualmente teremos que lidar, bons projetos na cabeça e aquele inevitável otimismo que costumamos ter ao dar início a qualquer empreitada. Não tenho assim grandes pretensões, espero que os dias me sejam leves e que eu continue recebendo toda essa energia bacana que chegou até mim neste ano. E que eu possa continuar retribuindo com a minha própria. Um muito Feliz Ano Novo para todos nós!

6 respostas em “Rebobinando 2013

  1. Mônica, minha amiga, irmã do doutor capitão( ou já subiu de posto?). Que bom ler essa maravilha de otimismo que vc maravilhosamente escreveu. Obrigada por esse chá de ânimo e espero que vc inclua em 2014 o nosso reencontro, não atravé de Face Book pq não me identifiquei com ele rsrsrs. Um grande beijo. Saudades,
    Luiza

    • Ei lindona, que saudade de você!!! Claro, mais f2f e menos encontros virtuais em 2014, sou super a favor!!! Seu capitão já é major, olha o risco pra corporação… 😀
      A gente tem que manter o otimismo, né, nem que seja pra pirraçar quem tá a fim de jogar ventilador na nossa farofa!
      bjk e ótimo Ano Novo pra você e a sua turma toda!

  2. Ô Mônica, também sou muito do mundo virtual não, mas sempre passo por aqui na esperança de ler mensagens como esta! Um muito muito feliz 2014 para todos nós! Que os sem-noção percam cada vez mais terreno, e que as boas energias suplantem qualquer ameaçazinha de desânimo!

    • Hahaha, temos que nos manter ‘atentos e fortes’, que nem dizia a música, né Maurício? A gente segue firme no otimismo, nem que seja por teimosia (e eu sou teimosa que cê nem imagina!!!). Um 2014 sensacional pra você e sua turma, boas energias e muitos encontros! bjk

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s