Diplomacia

chhinel no. 5A diplomacia mundial vai, de um modo geral, muito mal das pernas, mas isso todo mundo já tá careca de saber. Claro que não ajuda nem um pouquinho o fato das pessoas estarem demasiadamente chatas e cri-cri umas com as outras, nem a constatação de que todo e qualquer problema atualmente sempre tem o potencial de se tornar um problemão e ganhar uma escala praticamente estratosférica. Mas a minha teoria é de que o que anda faltando mesmo na esfera diplomática do planeta é MÃE. Ou, pelo menos, mães como a que eu tive e que um bocado de gente teve também, não dessas mães que morrem de medo de seus filhotinhos tiranos ou que os super protegem e fazem todas as suas vontades.

Divisão igualitária, por exemplo. Com dona Marina a regra era clara: um parte, o outro escolhe. Nem pense em querer dar seu jeitinho pra levar vantagem porque, se a faca estiver com você, é o seu irmão quem vai escolher o pedaço dele primeiro. Nunca vi um conflito sobre o último pedaço da sobremesa ser resolvido mais rapidamente do que com essa estratégia.

Tentativa baixa de manipulação com jogo de empurra, então? Com MÃE, é sem chance pra mimimi:

– Olhaqui, manhêêê… Olha o Israel no meu lugaaaaaar…
– ISRAEL, SAI DO LUGAR DA SUA IRMÃ AGORA!
– Mas o papai falou que eu podia ficar aquiiiii…
– Mas eu cheguei primeiro, esse lugar já é meu há muito tempo, táááá?
– Olhaí, manhêêê… a Palestina tá jogando os brinquedos dela nimim!!!
– PALESTINA, PÁRA COM ISSO JÁ E VAI BRINCAR NO SEU CANTO QUIETA!
– Ah não, manhêêê… é o Israel que tá me empurrando, ele fica com essa carinha de santinho do pau-oco, se fazendo de vítima, mas foi ele quem começooooou…
– NÃO QUERO MAIS SABER. OS DOIS PRO CASTIGO AGORA!!!
– Mas manhêêê… eu não tou fazendo nada, é ela que tá me provocando!
– Eu não, é você que tá me batendo, você é maior e muito mais forte do que eu, buááá…
– NÃO QUERO OUVIR NEM MAIS UM PIO. CALADOS TODOS DOIS E SÓ SAIAM DAÍ QUANDO EU MANDAR. NÃO TESTEM A MINHA PACIÊNCIA PORQUE DO CONTRÁRIO VAI SER PIOR, NÃO VOU FALAR OUTRA VEZ!!! (em priscas eras, antes da lei da palmada, essa última frase era dita com a havaiana na mão direita, e isso era tudo que bastava para a calma e o silêncio imperarem no local).

Uma mãe dessas caprichadas na diplomacia mundial, amiguinhos, é tudo que eu digo. E o mundo respira aliviado.

Conserta com durex

A presidentA deste patropi abençoado por Deus e bonito por natureza (mas que beleza!) né boba nada. Junto com seus coleguinhas da Corte, arrumam solução facinha pra tudo quanto é problema na brasilândia, com um toque de mágica que faria Samantha Stephens (lembra dela, a bruxinha de A Feiticeira?) sapatear de inveja. Caos na saúde, como resolver? Bora importar médicos de outras paragens (sadly, dr. Doug Ross, dr. Gregory House e dr. Derek Shepherd não constam da lista, o que é positivamente uma lástima). Tá pouco? Pouco é esse bando de estudantes de medicina, todos fortes e bem nutridos, formando em apenas seis anos e caindo na residência, ao invés de serem aproveitados por, digamos, um par de anos a mais a serviço do SUS; hora de aumentar a duração do curso. Agora elA ainda quer estender a cortesia aos dentistas e psicólogos.

Vai que a moda pega, né? Professor? Vai dar aula nas escolas públicas antes de lecionar em qualquer outro lugar. Engenheiro ou arquiteto? Tá cheio de terreno baldio por aí a espera de milhares de residências pro Minha Casa, Minha Vida. A Justiça tá emperrada? E esse tanto de estudante de Direito dando mole, por que não botar essa meninada batuta pra ajudar agilizar  o serviço público? Como é que ninguém pensou nesse precioso nicho de mercado antes, olha, sinceramente eu não sei, prestenção no tanto de mão-de-obra barata pra tapar os buracos (buracos esses, naturalmente, que são beeem mais embaixo). Mas jogar fora uns suplentes de senadores aqui, cortar uns gastos ali, degolar uns ministérios sem-noção acolá? Jamé, como diriam os franceses.

Daí que nessas horas sempre me vem aquela frase da música do Pink Floyd na voz de mr. Roger Waters: ♪♫ Did they expect us to treat them with any respect? ♪♫
Depois esses políticos ficam aí, reclamando com cara de susto.

De pronunciamentos

Ok. O pronunciamento foi um pouco melhor do que eu esperava. É claro que provavelmente seria conservador e pisando em ovos, apenas com tímidos acenos de boa vontade aqui e ali. Não sei se no momento atual, e com menos de dez minutos, daria pra sair muito mais do que saiu. Mesmo assim, depois de uma semana de um silêncio que pegou muito, mas muito mal mesmo, eu gostaria de terminar de ouvir a fala da Dilma com menos sensação de promessas e mais de ações concretas. E resta saber quem serão essas ‘lideranças’ a dialogar com a presidentA, já que até agora não vimos surgir nenhuma pra valer.
***
Mas 3 coisinhas nessa fala eu achei bem irritantes (não no ‘que’, mas no ‘como’):
– pronunciamento pré-gravado. Por que não falar ao vivo? Pode ser que não tenha tanta importância pra vocês, mas eu, particularmente, acho o fim.
– que balancê é esse, presidentA? Da próxima vez, alguém amarra a senhorinha na cadeira.
– ‘a nível’ de oratória, o pessoal ainda é bem ruinzinho de serviço. Sempre fico com a impressão de estarem lendo um texto com excesso de vírgulas onde não deve, e de não terem ensaiado a entonação.
***
No mais, vamos acompanhar, que neste sábado ‘the beast is going to catch’ (o bicho vai pegar) cá em BH.
***

Bestas esféricas

Meu pai dizia que muito, mas muito pior do que uma besta quadrada, é uma besta esférica. Porque, se você analisar bem, uma besta quadrada é menos besta ali nos cantinhos do quadrado, né, enquanto que a besta esférica não, a besta esférica é igualmente besta de qualquer ângulo que você a observe. Meu pai adoraria alguns congressistas dessa brasilândia, que resolvem sentar praça lá na Corte e de lá não querem sair de jeito nenhum. Eles seriam a evidência irrefutável de que sua teoria estava certa.

Recadinho pro ‘sêo’ Barack

OK, beleza, sêo Barack. Mais 4 anos de democratas no poder, grazadeus. Mas, se eu fosse o senhor, daria um jeito de dar uma aprumada na vida e uma acelerada pra resolver as pendências todas por aí, do contrário a galera que te elegeu (e a que não te elegeu também) vai ficar muito p. da vida. E quando os americanos ficam p. da vida, eles costumam eleger republicanos. E aí sempre sobra m**** pro mundo todo limpar depois…

Veneta

O Luiz Inácio disse ontem numa entrevista na TV que “não vai deixar nenhum tucano ser presidente do Brasil”. Gente, que curioso isso, eu aqui crente que neste patropi abençoado por Deus e bonito por natureza nós vivíamos numa demnocracia, e que deixar ou não alguém ser presidente de qualquer coisa fosse uma questão de VOTO, não da vontade ou da veneta de um só!… Mudou alguma coisa na Constituição Federal e eu não fui avisada?